Everjets Ameaça Ministro com Processo por Causa dos Kamov - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Everjets Ameaça Ministro com Processo por Causa dos Kamov


A Everjets acusa o ministro da Administração Interna de ter proferido, na terça-feira, "declarações difamatórias" sobre a empresa, que nos últimos cinco anos operou os helicópteros Kamov do Estado e os meios aéreos de combate a fogos.

A administração da Everjets garante que irá recorrer à Justiça para se "defender destes ataques" de Eduardo Cabrita, do Governo e da Proteção Civil.

A Everjets revelou, esta quarta-feira, que vai avançar com "processos judiciais" contra os membros do Governo e a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) que têm movido "ataques constantes" contra a empresa.

A reação da empresa, que tem um diferendo com a ANPC por causa da manutenção dos helicópteros Kamov, surge após a audição do ministro da Administração Interna (MAI), no Parlamento, ontem. Eduardo Cabrita apontou que a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) retirou a autorização de operação à Everjets e que o Estado já garantiu o aluguer de três Kamov para substituir aqueles que eram operados pela empresa.

Num comunicado, a administração da Everjets, liderada por Ricardo Dias, diz "lamentar mais uma vez as insistentes declarações difamatórias" de Cabrita contra a empresa, "sobre a qual devia ter total respeito".

"Negamos que a ANAC tenha retirado à Everjets qualquer autorização, antes foi a Everjets que, depois de ter sido expulsa do Hangar de Ponte de Sor, solicitou à ANAC a suspensão provisória da autorização especial de operação das Aeronaves de Estado, pois um dos requisitos é o acesso às instalações e documentação. A Everjets jamais iria incumprir junto da ANAC, por culpa da decisão extemporânea da ANPC/MAI. Mais uma vez aqui se denota a má-fé de que a Everjets está a ser vítima por parte deste Governo", refere a empresa, que, em março, viu a Proteção Civil selar os Kamov que estavam a ser alvo de manutenção, devido à suspeita de desvios de peças.

Defende a Everjets que foi "obrigada a suspender a autorização" da ANAC e que as declarações de Cabrita "é um ato de má-fé, inédito de um Governo contra com sociedade privada, 100% portuguesa, que paga impostos em Portugal e dá emprego a dezenas de famílias".

"Graças à Everjets e à sua operação durante mais de cinco anos e mais de 20.000 horas de voo, mais de 500.000.000,00 de litros de água bombardeados em missões de combate a incêndios em Portugal com 28 helicópteros, sempre com mais de 99% de disponibilidade operacional, evitou perda de vidas humanas e perda de bens materiais aos portugueses em anos de severidade extrema como 2013 e principalmente 2017", relata o comunicado, sobre a ligação com o Estado, que se iniciou com o anterior Governo, quando era ministro da Administração Interna Miguel Macedo.

"A Everjets tem uma reputação mundial a defender e estes ataques constantes por parte de órgãos governamentais vão ser alvo de processos judiciais", conclui.

O Ministério da Administração Interna, contactado pelo JN, ainda não reagiu à ameaça da Everjets.

JN

Sem comentários:

Enviar um comentário