Vencedor das Eleições nos Bombeiros de Vila do Conde Apela "à União da Corporação" - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 28 de março de 2018

Vencedor das Eleições nos Bombeiros de Vila do Conde Apela "à União da Corporação"


O novo presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila do Conde, Renato Lapa, hoje eleito com mais de dois terços dos votos dos associados, definiu como prioridade para o seu mandato "a união da corporação".

O novo líder dos bombeiros vila-condenses, que encabeçava a lista A, obteve 391 votos, num universo de 569 associados que participaram no sufrágio, batendo, por mais do dobro, a lista B, liderada por Paulo Rodas, que recebeu 176 votos. Registou-se, ainda, um voto branco e um outro nulo.

"A nossa prioridade será unir os bombeiros de Vila do Conde. Esse foi um dos principais objetivos que mencionámos no nosso programa, e agora queremos trabalhar todos juntos em prol da associação", vincou em declarações à Agência Lusa Renato Lapa.

O dirigente, que só tomará posse nos próximos dias, afirmou que irá, a partir de agora, "estudar o que está em falta na associação, para fazer uma avaliação e tomar medidas necessárias".

Da parte da lista B, Paulo Rodas assumiu a derrota e desejou "felicidades à nova equipa diretiva", esperando que "consiga implementar o projeto para que o socorro em Vila do Conde continue assegurado", manifestado "disponibilidade para ajudar a associação".

Este foi um dos atos eleitorais mais concorridos dos últimos anos da associação, com 569 participantes, um número bem superior aos 46 votantes, que no último sufrágio, em maio do ano passado, elegeram um corpo diretivo que se demitiu, após divergências com o corpo de voluntários da corporação.

Na sequência dessas divergências, cerca de 60 elementos voluntários "apresentaram um pedido de inatividade do quadro", a 10 de fevereiro, deixando o contingente muito deficitário, e com a capacidade de resposta ao socorro condicionada.

Fonte: DN

Sem comentários:

Enviar um comentário