Sapadores de Lisboa: “Sexta às 9” Arrasa Regimento e Ex-Presidente da ANPC - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sábado, 6 de janeiro de 2018

Sapadores de Lisboa: “Sexta às 9” Arrasa Regimento e Ex-Presidente da ANPC


A Polícia Judiciária detetou indícios de corrupção no fornecimento de material ao Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa (BSB) adjudicados por ajuste direto a uma única empresa desde 2010, noticiou, esta sexta-feira, a RTP, no programa Sexta às Nove.

A investigação da PJ encontrou "dezenas de contratos públicos, por ajuste direto, para a mesma empresa, Vianas, S.A", de Gondomar, totalizando "quase 1.793.906 euros, do erário público, só em Lisboa", adianta a RTP.

Segundo a notícia, a PJ remeteu já para o Ministério Público as conclusões da investigação realizada, indiciando cinco arguidos: Manuel Vianas, de Vianas S.A., Frederico Rodrigo, da Câmara Municipal de Lisboa, e as empresas Vianas S.A, Engibox e D'Maker.

Os indiciados, que aguardam a decisão do Ministério Público de acusação ou arquivamento do processo, são suspeitos da prática dos crimes de corrupção ativa e passiva e de participação económica ilícita em negócio.

A PJ concluiu a existência de uma "relação de amizade entre os dois arguidos" individuais, adianta a RTP.

De acordo com a RTP, o caso, que se encontra na 9.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, foi participado pelo ex-vereador da Proteção Civil, Manuel Brito, que chegou a confrontar o então comandante do BSB, Joaquim Leitão, mais tarde presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Na altura dos factos constantes na investigação da PJ, António Costa, atual primeiro-ministro, era o presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

A agência Lusa pediu esclarecimentos ao Ministério Público sobre a fase em que se encontra o processo, se já existem arguidos constituídos e quais os crimes em causa, mas ainda não obteve resposta.

Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário