Avaria em Helicóptero Deixa Doente à Espera - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 3 de dezembro de 2017

Avaria em Helicóptero Deixa Doente à Espera


Uma avaria no helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) estacionado em Loulé obrigou uma doente a esperar por um novo transporte para Lisboa. 

O caso aconteceu na quinta-feira: o helicóptero do INEM foi recolher a doente ao hospital de Faro, mas, em vez de seguir logo para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, teve de regressar a Loulé para abastecer, uma vez que tinha o depósito nos mínimos. 

Depois de abastecer, e quando se preparava para levantar e, finalmente, transportar a doente para Lisboa, o aparelho sofreu uma avaria. Fonte do INEM confirmou ao CM a avaria no motor do helicóptero, tendo sido acionado o ‘heli’ de Évora para efetuar o transporte para Lisboa. A mesma fonte garantiu que a doente "foi estabilizada e esteve sempre devidamente acompanhada pelas equipas médicas do INEM", tendo o helicóptero de Loulé ficado operacional "poucas horas depois". 

Sobre o facto de o ‘heli’ ter os níveis de combustível nos mínimos e os motivos da necessidade de regresso à base de Loulé para abastecer, o INEM disse ter solicitado informações à empresa que assegura a manutenção dos ‘helis’. Ao que o CM apurou junto de fontes ligadas à operacionalidade destes meios, este será um procedimento de segurança relacionado com o peso. O ‘heli’ não pode levantar do heliporto de Faro com determinado peso e, por isso, leva menos combustível.

Novos aparelhos vão custar 45 milhões de euros   

O Instituto Nacional de Emergência Médica abriu concurso público para a aquisição de quatro helicópteros em permanência, e respetivas tripulações: um médico, um enfermeiro e dois pilotos. Segundo o anúncio publicado no Diário da República a 3 de novembro, o valor-base do procedimento a concurso são 45 milhões de euros, durante os anos de 2018 a 2022. O atual contrato, que começou em 2013 e termina já no final deste ano, custou 37,5 milhões de euros. 

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário