"A Caixa Negra dos Carros tem Informação Vital para Compreender um Acidente" - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 20 de novembro de 2016

"A Caixa Negra dos Carros tem Informação Vital para Compreender um Acidente"


Associação dos Cidadãos Auto-Mobilizados pede que seja aplicado na Europa um método "inovador" para melhorar a investigação aos acidentes rodoviários.

No Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada, a Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados (ACA-M) diz que ainda há muito a fazer para evitar mortes e acidentes nas estradas portuguesas, mas também no campo da investigação dos acidentes rodoviários.

O presidente da ACA-M, Manuel João Ramos destaca que é preciso evoluir na resposta pós-acidente, em especial no apoio ao trauma psicológico, "não só às vitimas mas também aos familiares", algo que considera estar "pouco valorizado em Portugal".

Outro aspeto que o presidente da ACA-M considera "absolutamente fundamental" é que o crime rodoviário seja tratado com investigação científica. E dá um exemplo, que já é aplicado na América, mas que "na Europa ainda não existe".

"Todas as viaturas hoje em dia têm um chip, uma espécie de caixa negra. É um pequeno chip que contém informação absolutamente vital para compreender um desastre rodoviário", explica.

Manuel João Ramos adianta que este chip, "como regista o último minuto antes de um desastre, pode constituir um elemento absolutamente inovador de prova do crime rodoviário" e assim "melhorar imenso a prevenção".

As mortes registadas em acidentes rodoviários entre 2010 e 2015 diminuíram 33% em Portugal. Este ano, entre 1 de janeiro e 15 de setembro, os acidentes nas estradas portuguesas provocaram 305 mortos, menos 22 do que em igual período do ano passado.

Já o número de acidentes aumentou - mais 4.700 desastres rodoviários em comparação com o mesmo período do ano passado, indicam dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.

Entre 2006 e 2015, os acidentes nas estradas portuguesas provocaram 6.693 mortos, o equivalente à população do concelho algarvio de Castro Marim.

"A crise financeira e económica tirou muitos carros da estrada e, sobretudo, contribuiu muito para a redução das velocidades porque andar depressa custa dinheiro", diz o presidente da ACA-M.

O Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada 2016 assinala-se este domingo e pretende lembrar e homenagear as pessoas que perderam a vida e ficaram feridas nas estradas, bem como prevenir o registo de mais acidentes.

Fonte: TSF

Sem comentários:

Enviar um comentário